terça-feira, 17 de janeiro de 2012

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Paulo Moura - Quarteto - 1968


Músicos
Paulo Moura (sax alto)
Wagner Tiso (piano)
Luis Carlos (baixo)
Paschoal Meirelles (bateria)



Músicas
01 - Lamento do Morro (Tom Jobim/Vinicius de Moraes)
02 - Eu e a Brisa (Johnny Alf)
03 - Meu Lugar (Luis Fernando Werneck/Danilo Caymmi/Fernando Brant)
04 - Aos Pés da Santa Cruz (Marino Pinto/Zé da Zilda)
05 - Yardbird Suíte (C. Parker)
06 - Sá Marina (Antônio Adolfo/Tibério Gaspar)
07 - Retrato de Benny Carter (Wagner Tiso)
08 - Razão (Alberto Arantes/Sergio Bittencourt)
09 - Feitio de Oração (Vadico/Noel Rosa)
10 - Terra (Milton Nascimento/Márcio Borges)


sábado, 7 de janeiro de 2012

Juarez - O Melhor de Juarez - 1963


Músicas
01 - Só Danço Samba (Tom Jobim/Vinicius de Moraes)
02 - Mack The Knife (Kurt Weill/Bertolt Brecht)
03 - Samba Toff (Orlann Divo / Roberto Jorge)
04 - Night Side (Mancini)
05 - Samba de Uma Nota Só (Tom Jobim/Newton Mendonça)
06 - Deep Purple (Peter DeRose/Mitchell Parish)
07 - Al Di Lá (Carlos Donida)
08 - Bim Bom (João Gilberto)
09 - How Hight The Moon (Morgan Lewis/Nancy Hamilton)
10 – Súplica (?)
11 - Blue Moon (Richard Rodgers and Lorenz Hart)
12 - Lobo Bobo (Carlos Lyra/Ronaldo Boscoli)

Esse disco acho que não foi lançado em CD. Procurar na WEB por Juarez Best Of 1963.

domingo, 1 de janeiro de 2012

Luizão Maia - Contrabaixo Brasil


Luizão Maia (1949 - 2005)
Luiz Oliveira da Costa Maia, nasceu no Rio de Janeiro em 3 de Abril (Áries) de 1949 e faleceu no Japão em 28 de Janeiro de 2005. Como pode ir morrer tão longe da gente, e tão novo? Um grande músico. E para quem o conheceu, um cara “boa - praça”. Nelson Rodrigues, nosso grande dramaturgo, achava que os gordos são sempre mais amáveis. Luizão não era assim chamado apenas por ter sido grande, mas, também, Luizão, era uma forma carinhosa como era tratado pelos seus muitos amigos. Lembrava aquele tio “gente boa” que te ensinou um monte de sacanagem quando você era pequeno e você nunca esqueceu. Grande figura.

Quando pensei escrever sobre esses músicos que trabalham duro na penumbra e acompanham as estrelas no fundo dos palcos não imaginava suas verdadeiras dimensões. Algumas estrelas são ou foram totalmente dependentes deles; devem boa parte do seu sucesso a esses músicos. Alguns se tornaram maior que as estrelas, outros brilharam e continuam a brilhar além das estrelas. Esse é o caso do nosso Luizão.

Ao pesquisar a discografia de Sérgio Barrozo (grande baixista, já mencionado aqui no blog) fiquei impressionado com seu curriculum. Agora com o Luizão, a coisa também ficou séria. Como pode? O cara também tocou com todo mundo. Eles devem ter se encontrado milhares de vezes nos corredores dos estúdios. Um perguntando pro outro: - Quem vai, é você ou eu? Deve ter sido hilário. Luizão fala pro Sérgio: - Se for acústico é com você, se for elétrico, deixa comigo. Não sei se isso aconteceu de fato, é apenas uma viagem. Mas é possível.

Luizão era um mulato ali de Vila Isabel (terra de Noel), subúrbio do Rio, que despontou no cenário musical pelos idos de 1964, em plena Revolução, tocando com Tânia Maria e Chico Batera no “Samba Trio” (sinceramente não me lembro desse grupo). Em 1968, já era o baixista preferido de Elis Regina. Nesse período ele abandona o contrabaixo acústico e vai pro baixo elétrico. É um momento em que a música começa a ter grande audiência. O rock e a música negra chegam ao grande público. O espetáculo agora é a multidão. O contrabaixo acústico continua associado às orquestras, à música de câmera, aos pequenos salões, ao jazz, um público restrito. O baixo elétrico abre novas possibilidades; um som mais pesado, mais vibrante, cheio de timbres.

De tempos em tempos um determinado músico desenvolve um estilo. Alguns dizem que criou algo novo. Isso é complicado. A música, assim como toda arte, está sempre em evolução, o novo e o velho sempre se misturam. Sempre um passo a frente. Pode acontecer de dar um passo atrás. Lastimo. Tem acontecido com frequência. A molecada que estuda baixo hoje idolatra o Marcus Miller. Já foi a época do Jaco Pastorius, e pros mais antigos, que nem eu, teve a época do grande Scott LaFaro; aquele que arrebentava tocando com Bill Evans, Chet Baker, Miles Davis e outros de menor calibre. Ainda poderia citar o Paul McCartney, no disco Rubber Soul, que dá uma aula de baixo. Resumindo: no Brasil, o aprendiz de baixista que quiser tocar samba e bossa tem que ouvir Luizão Maia. Ponto final. Esse criou um estilo. Podem colocar na vitrola qualquer disco anterior a Luizão Maia que vocês vão me dar razão. É conhecido como o inventor do Sambaixo. Não é pouca coisa não. O Brasil é o berço do samba. Continuando.

Em 1966, junto com Márcio Montarroyos, Hélio Delmiro e Cláudio Caribé (olha só a turma) forma o conjunto “Fórmula 7”. Gravam três discos, com diversas formações, tocando tudo que era sucesso na época: Stevie Wonder, Koll & The Gang, James Brown, Blood Sweat & Tears e, claro, os Beatles. Até um tal de Gerson King Combo aparece nessa fita. Era o tal “bailão”. Todo mundo tem saudades do Fórmula 7. Zona Norte e Zona Sul. A ditadura pegando todo mundo e nós lá no baile. Não conta pra ninguém.

Em 1968, o Brasil e o mundo entram naquela onda psicodélica: guerra do Vietnã, “Black Power”, hippie, Era de Aquário. Ninguém sabe o que fazer, qual a direção. É o “desbunde lisérgico”, o amor livre, a maconha e os doidões. É uma fase de transição para a música também. É o mundo pré - Woodstock, quebrando tudo. Nessa onda, Luizão forma o grupo “Antônio Adolfo e a Brazuca”. Antônio Adolfo é aquele que compôs “Sá Marina” (que o Stevie Wonder gravou), “Juliana” e “BR3”, que ganhou o V Festival Internacional da Canção, em 1970, com Tony Tornado, seus requebrados e outros babados. O mundo era complicado, eu sei. Acho que o Luizão já estava em outra onda, com Elis Regina, César Camargo Mariano e Paulinho Braga. Como diz o nosso amigo Charles Gavin: “Aí, já é outra história”.

Luizão era um cara que não escondia suas grandes admirações: Bebeto, do “Tamba Trio”, Tião Neto, do “Bossa Três”, Sérgio Barrozo e Ron Carter. Também concordo.

Acho que a fase que Luizão mais curtiu foi com Elis Regina. O time era muito forte. Era só “swing”. Foram grandes discos. Elis sabia escolher a sua “cozinha”. O disco “Elis & Tom”, de 1974, é antológico (já tem na praça). Se você ainda não tem, corra pra comprar. Tem aquele outro, “Essa Mulher”, de 1979. E o “Elis Regina em Montreux”, de 1982, com Hermeto, Hélio Delmiro, Paulinho Braga e companhia. É de arrepiar os cabelos. Todos, com Luizão mandando ver, é claro.

Esse disco “Elis & Tom” deu muita confusão. Vocês sabem como é: Elis e Tom juntos, é (era) só "ego". Mas, Elis levou: - meu baixista é o Luizão, Paulinho Braga é meu batera e o Hélio Delmiro é a minha guitarra, e, claro, César Mariano, meu piano. Ou seja, aquele time que a gente já conhece: “swingueira”. É um disco da Elis, me desculpe, para o Tom brilhar nos EUA. Lógico que ele já tinha composto “Águas de Março” há muito tempo. Já tinha saído em um disquinho do “Pasquim” (1972).

Bom, esquecemos o Luizão. Voltemos a ele. Após a morte de Elis, em 1982, Luizão forma o grupo “A Tampa”, com Victor Biglione (guitarra), André Tandeta (bateria), Zé Luiz (sax e flauta), João Rebouças (piano). É um showzinho aqui, outro ali, nada demais. Pula.

Nesse período acompanha Toquinho em turnê pela Itália, sem maiores motivações, pois Vinícius já tinha morrido, e Toquinho sem Vinícius já não era a mesma coisa. Além do mais, o grande baixista da fase Toquinho e Vinícius era outro grande baixista, Azeitona. Já vou falar dele. Mais um whisky.

Em 1989, Luizão forma a “Banda Banzai“. Assim como o antigo “Copa 7”, com sua formação variada, teve vida efêmera. E olha que os músicos são da pesada (JT Meirelles, Claudio Jorge, Itamar Assiére e outros cabritos). No Yootube tem até uma aparição da turma no “Jô 11:30”. Vou colocar aqui o “Link”. Chega de conversa.

Tem aquela fase do Japão que nem quero comentar, muito chata, triste. Vou colocar na pista os discos de um cara bacana: Luizão Maia.

Discografia (incompleta)
1969 - Antônio Adolfo - Antônio Adolfo E A Brazuca
1970 - Elis Regina - Em Pleno Verão
1973 - Beth Carvalho - Canto Por Um Novo Dia
1973 - Elis Regina - Elis
1974 - Elis Regina - Elis & Tom
1974 - Raul Seixas - Gita
1974 - Elis Regina - Elis
1975 - Carlos Lyra - Herói Do Medo
1975 - João Bosco - Caça A Raposa
1975 - Raul Seixas - Novo Aeon
1975 - Copinha - Jubileu De Ouro
1975 - Beth Carvalho - Pandeiro E Viola
1976 - Beth Carvalho - Mundo Melhor
1976 - Chico Buarque - Meus Caros Amigos
1976 - Gal Costa - Gal Canta Caymmi
1976 - João Bosco - Galos De Briga
1976 - Jorge Mautner - Mil E Uma Noites De Bagdá
1976 - Monarco - Monarco
1977 - Antônio Adolfo - Feito Em Casa
1977 - Beth Carvalho - Nos Botequins Da Vida
1977 - Caetano Veloso - Bicho
1977 - Elis Regina - Elis Ao Vivo
1977 - Elza Soares - Pilão+Raça=Elza
1978 - Antônio Adolfo - Encontro Musical
1978 - Beth Carvalho - De Pé No Chão
1978 - Chico Buarque - Chico Buarque
1978 - Clara Nunes - Guerreira
1978 - Edu Lobo - Camaleão
1978 - Djavan - Djavan
1978 - Gal Costa - Água Viva
1978 - Maria Bethânia - Álibi
1978 - Nara Leão - E Que Tudo Mais Vá Pro Inferno
1978 - Wagner Tiso - Wagner Tiso
1978 - Walter Franco - Respire Fundo
1978 - Joel Nascimento - Meu Sonho
1979 - Lee Ritenour - Rio
1979 - Elis Regina - Essa Mulher
1979 - Ivan Lins - A Noite
1979 - João Bosco & Aldir - Linha De Passe
1979 - Luiz Gonzaga Júnior - Gonzaguinha Da Vida
1979 - Maria Bethânia - Mel
1979 - Toquinho, Vinicius de Moraes - 10 Anos Depois
1979 - Wilson Simonal - Se todo Mundo Cantasse Seria Mais Fácil Viver
1979 - Cartola - Cartola 70 Anos
1979 - Mauricio Einhor - ME
1980 - Clara Nunes - Brasil Mestiço
1980 - Chico Buarque - Vida
1980 - Djavan - Alumbramento
1980 - João Bosco & Aldir - Bandalhismo
1980 - Marcos Valle - Vontade De Rever Você
1980 - Miúcha - Miúcha
1980 - Maria Bethânia - Talismã
1980 - Nara Leão - Com Açúcar E Com Afeto
1980 - Túlio Mourão - Trilhos – Música Popular Brasileira
1980 - Luiz Cláudio Ramos - Música Popular Brasileira Contemporânea
1981 - Clara Nunes - Clara
1981 - João Bosco - Essa É Sua Vida
1981 - Pascoal Meirelles - Considerações A Respeito
1981 - Beth Carvalho - Na Fonte
1982 - Angela Maria e Cauby Peixoto - Ângela & Cauby
1982 - Angela RoRo - Simples Carinho
1982 - Beth Carvalho - Traço De União
1982 - Chico Buarque - Chico Buarque En Español
1982 - Clara Nunes - Nação
1982 - Eduardo Dussek - Cantando No Banheiro
1982 - Elis Regina - Trem Azul
1982 - Elis Regina - Elis Em Montreux
1982 - Nivaldo Ornelas - Viagem Através De Um Sonho
1983 - Beth Carvalho - Suor No Rosto
1983 - Ivan Lins - Depois Dos Temporais
1983 - Paulinho da Viola - Prisma Luminoso
1983 - Vinicius Cantuária - Gávea De Manhã
1983 - Telma Costa - Telma Costa
1983 - Tunai - Olhos Do Coração
1983 - Bebel Gilberto e Pedrinho Rodrigues - Geraldo pereira
1984 - Beth Carvalho - Coração Feliz
1984 - Chico Buarque - Chico Buarque
1984 - João Bosco - Gagabirô
1984 - João Nogueira - Pelas Terras Do Pau - Brasil
1984 - Martinho da Vila - Martinho Da Vila Isabel
1984 - Filó Machado - Canto Fatal
1985 - Beth Carvalho - Das Bençãos Que Virão Os Novos Amanhãs
1985 - Dominguinhos - Isso Aqui Tá Bom Demais
1985 - Leny Andrade - Leny Andrade
1985 - Mestre Marçal - Recompensa
1986 - Wagner Tiso - Branco E Preto, Preto E branco
1986 - Elizeth Cardoso - Luz E Esplendor
1987 - Sivuca E Rildo Hora - Sanfona E Realejo
1987 - Simone - Vício
1987 - Wagner Tiso - Giselle
1988 - Leny Andrade - Leny Andrade Interpreta Cartola
1988 - Nelson Gonçalves - E Por Falar Em Paixão
1988 - Carlinhos Vergueiro - Carlinhos Vergueiro e Convidados
1988 - Zeca Pagodinho - Jeito Moleque
1988 - Roberto Ribeiro - Roberto Ribeiro
1988 - Beth Carvalho - Alma Do Brasil
1989 - Chico Buarque - Chico Buarque
1989 - Djavan - Djavan
1989 - Toninho Horta - Moonstone
1990 - Leny Andrade - Eu Quero Ver
1990 - Adoniran Barbosa - O Poeta do Bixiga
1990 - Arthur Maia - Maia
1990 - Chiquinho do Acordeon - Chiquinho Do Acordeon
1990 - Nivaldo Ornelas - Colheita De Trigo
1990 - Romero Lubambo & Rildo Hora - Autonomia
1991 - Martinho da Vila - Vai Meu Samba, Vai
1991 - Songbook – Noel Rosa - Noel Rosa
1991 - Songbook – Gilberto Gil - Gilberto Gil
1991 - Tim Maia - Clássicos Da Bossa Nova
1992 - Maria Bethânia - Olho D´Água
1992 - Rildo Hora - Espraiado
1993 - Chico Buarque - Paratodos
1993 - Gilson Peranzzetta - Gilson Peranzzetta
1993 - Tim Maia - Tim Maia
1993 - Songbook - Carlos Lyra - Carlos Lyra
1993 - Songbook – Dorival Caymmi - Dorival Caymmi
1993 - Songbook – Vinicius De Moraes - Vinicius De Moraes
1993 - Fátima Guedes - Pra Bom Entendedor
1994 - Dirceu Leite - Leite De Coco
1994 - Tim Maia - Voltou Clarear
1999 - Wilson Moreira - Okolofé
2001 - Sizão Machado - Quinto Elemento
2002 - Chico Buarque - Duetos
2002 - Arthur Verocai - Saudade Demais
2002 - Raphael Rabello - Mestre Capiba Por Raphael Rabello e Convidados

Essa é uma listagem, ainda incompleta, dos registros em disco do Luizão. É apenas para dar uma idéia da sua importância e versatilidade no cenário musical, tanto nacional como internacional. Luizão também tocou com grandes músicos do porte de, Sadao Watanabe, George Benson, Stan Getz, Wayne Shorter, Toots Thielemans, Herbie Hancock, Claus Ogerman, Cred Taylor, e muito mais. Em alguns locais é citada também Janis Joplin. Não consegui confirmar esse encontro. À medida que for descobrindo vou atualizando essa planilha.

Mesmo com esse curriculum, Luizão não teve uma vida confortável. Sempre precisou trabalhar muito para se manter. Quando ele sofreu um derrame em 1994, que praticamente lhe paralisou o lado direito do corpo, amigos tiveram que realizar shows beneficentes para arrecadar fundos para seu tratamento. A partir de então vai morar no Japão com sua esposa Yoko Bekku e começa uma série de tratamento de reabilitação. Luizão não desistiu e ainda tocou por um bom tempo só com a mão esquerda. Um fenômeno.

Em 28 de janeiro de 2005, após sofrer o terceiro derrame, Luizão Maia não resistiu e faleceu no Japão. Longe de casa. Deixou um legado para o contrabaixo. Seu sobrinho Arthur Maia, que ganhou um contrabaixo do tio no início de carreira, é a prova viva dessa escola.







Mais discos os quais Luizão Maia participou (contribuição do leitor)

1972 - Erasmo Carlos - Sonhos e Memórias
1974 - Osmar Milito - Viagem
1974 - Antonio Carlos e Jocafi - Definitivamente
1974 - Maria Creuza - Sessão Nostalgia
1974 - Marcos Valle - Marcos Valle
1975 - Waltel Branco - Meu Balanço
1975 - Luiz Henrique - Mestiço
1975 - Antonio Carlos e Jocafi - Ossos do Ofício
1975 - Cesar Costa Filho - De Silêncio em Silêncio
1975 - Dominguinhos - O Forró de Dominguinhos
1975 - Quarteto em Cy - Antologia do Samba Canção
1975 - Simone - Gotas D'Água
1976 - Leci Brandão - Questão de Gosto
1976 - Quarteto em Cy - Antologia do Samba Canção Vol. 2
1976 - Pery Ribeiro - Bronzes e Cristais
1977 - Quarteto em Cy - Resistindo Ao Vivo
1977 - Maria Creuza - Meia Noite
1977 - Paulo Britto - Atenção
1977 - Antonio Carlos e Jocafi - Louvado Seja
1977 - João Nogueira - Espelho
1977 - Dominguinhos - Oi Lá Vou Eu
1977 - Nara Leão - Meus Amigos São Um Barato
1978 - Maria Creuza - Doce Veneno
1978 - Quarteto em Cy - Querelas do Brasil
1978 - Gisa Nogueira - Gisa Nogueira
1978 - João Nogueira - Vida Boêmia
1979 - Rosa Passos - Recriação
1979 - Lee Ritenour - Lee Ritenour in Rio
1979 - João Nogueira - Clube do Samba
1980 - Quarteto em Cy - Quarteto em Cy Interpreta Gonzaguinha, Caetano, Ivan e Milton
1981 - Jackson do Pandeiro - Isso é que é Forró
1981 - Quarteto em Cy - Caminhos Cruzados
1983 - Quarteto em Cy - Pontos de Luz
1986 - Luiz Gonzaga - Forró de Cabo a Rabo
1988 - Luiz Gonzaga - Aí tem Gonzagão

Mais discos os quais Luizão Maia participou (contribuição do leitor)

1969 - Ugo Marotta - Summertime (Compacto)
1976 - Fernando Ribeiro - Em Mar Aberto
1976 - Marku Ribas - Marku
1978 - Agepê - Tipo Exportação
1978 - Mestre Marçal - Marçal Interpreta Bide e Marçal
1978 - Toquinho - Toquinho Cantando Pequeno Perfil de Um Cidadão Comum
1978 - Mauricio Einhorn - ME
1979 - Maria Creuza - Pecado
1979 - Viva Voz (Compacto)
1980 - João Nogueira - Boca do Povo
1980 - Leci Brandão - Essa Tal Criatura
1980 - Raimundo Sodré - Massa
1981 - Toquinho - Doce Vida
1981 - Jorge Mautner - Bomba de Estrelas
1984 - Roberto Ribeiro - De Palmares Ao Tamborim
1984 - Ruy Maurity - Ruy Maurity
1987 - Rildo Hora - O Tocador de Realejo
1987 - Sivuca & Guitars Unlimited - Let's Vamos
1989 - Cesar Machado - Litoral
1993 - Quarteto em Cy - Vinicius em Cy

Mais discos os quais Luizão Maia participou (contribuição do leitor)

1976 - Djavan - A Voz, o Violão, A Música de Djavan
1986 - Dominguinhos - Gostoso Demais
1986 - Hermelinda - Forró Verdadeiro
1986 - Rique Pantoja - Rique Pantoja Featuring Ernie Watts
1987 - Oscar Castro Neves - Brazilian Scandals
1988 - Sebastião Tapajós - Sambas & Bossas On Guitar
1989 - Hendrik Meurkens - Samba Importado
1991 - Bebel Gilberto - De Tarde...Vendo O Mar
1992 - Raphael Rabello - Todos os Tons
1992 - Pascoal Meirelles - Considerações

* Ainda não sei se a lista está completa