sábado, 18 de abril de 2015

Marcos Valle - 1970


Músicos
Marcos Valle (piano e vocal)
Ângela Valle (vocal)
Noveli (contrabaixo)
Nelson Ângelo (violão)

Som Imaginário
Wagner Tiso (teclados)
Tavito (guitarra)
Luiz Alves (contrabaixo)
Robertinho Silva (bateria)

Músicas
01 - Quarentão Simpático (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
02 - Ele e Ela (Marcos Valle)
03 - Dez Leis (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
04 - Pigmalião 70 (Paulo Sérgio Valle/Noveli/Marcos Valle)
05 - Que Eu Canse E Descanse (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
06 - Esperando O Messias (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
07 - Freio Aerodinâmico (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
08 - Os Grilos (Paulo Sérgio Valle/Marcos Valle)
09 - Suite Imaginária (Marcos Valle)

Sou suspeito para falar sobre Marcos Valle, pois sou seu fã. Esse carioca da gema sempre compôs um tipo de música que gosto de ouvir. Desde seu primeiro disco “Samba Demais”, de 1963, ele já mostrava a sua personalidade nas composições e na escolha do repertório. Com apenas 20 anos, Marcos Valle, já era gravado pelos “Os Cariocas” e “Tamba Trio”, dois ícones da Bossa Nova na época.

Marcos Valle surgiu quando a Bossa Nova já estava consolidada no Brasil e no exterior. Com o golpe militar, em 1964, vários músicos de ponta migraram para os EUA. Surgia no Brasil o fenômeno dos festivais. Toda uma nova geração de compositores se firmou nesse período: Caetano, Chico, Milton, Gil, Edu, entre outros. A classe artística começa a tomar posição, a grande maioria contra o regime, as músicas de protestos, de cunho nacionalista, enfrentam a avalanche Beatles. Marcos Valle, embora consciente das injustiças sociais (“Viola Enluarada”), nunca foi um cara engajado. Algumas vezes criticou essa postura (“A Resposta”). Em 1965 participou do espetáculo “Bossa no Paramount”, em São Paulo, com as músicas “Preciso Aprender A Ser Só” e “Terra De Ninguém”.

Em 1965 Marcos Valle vai para os EUA a convite de Sérgio Mendes, que fazia enorme sucesso com a sua banda “Brasil 65”. Compõe o clássico “Samba de Verão”, mas é obrigado a sair do país. Diz a lenda, que ele fora convocado para o serviço militar.

Em 1966 “Samba de Verão” estoura nos EUA com uma versão arrasadora de Walter Wanderley. Foi um sucesso comparado a “Garota de Ipanema” de Tom e Vinícius. Marcos Valle volta para os EUA curtindo essa onda, agora sob a batuta de Eumir Deodato, que já tinha praticamente se radicado na terra do Tio Sam. Toca com grandes nomes da música americana, bares, clubes, rádio e televisão. Sucesso. Bom, até agora, nada de novo, tudo está no Google.

Qual o Marcos Valle que eu gosto? Ouçam o disco “Eumir Deodato E Os Catedráticos”, 1973, a segunda faixa, “Flap” e a sexta, “Puma Branco”. Esse é o Marcos Valle. Muito bonito. Marcos Valle, 1970, quarta faixa, “Pigmaleão 70”, Marcos Valle, “Garra”, 1971, quinta faixa, “Ao amigo Tom”. “Mustang Côr De Sangue”, 1969, faixa 5, “Azimuth”. É de arrepiar. Resumindo: esse é o Marcos Valle que eu gosto. Ainda tem aquela fase das novelas. Cada uma melhor que a outra. Vou abrir um parágrafo para falar sobre as suas músicas que arrasaram nas novelas da TV Globo.

Novelas.
Nesse disco temos a música tema da novela “Pigmalião 70”, da Rede Globo, levada ao ar nesse mesmo ano.

“Quarentão Simpático”, a primeira música do disco, apareceu na novela “Assim Na Terra Como No Céu”, também de 1970, da TV Globo.

1969 – Marcos Valle fez a sua primeira inserção em novelas em 1969 com a música "Azimuth (Mil Milhas)", dele e de Novelli. "Véu de Noiva", da TV Globo. Sonzão.

1972 – A dupla Paulo Sérgio e Marcos Valle, compõe e produz toda as músicas da trilha sonora da novela da TV Globo “Assim Na Terra Como No Céu”.

1972 – Marcos Valle compõe a trilha sonora da série infantil “Vila Sésamo”, da Rede Globo de Televisão.

1973 – “Os Ossos Do Barão” – tema de abertura da novela da TV Globo.

1973 – “O Fabuloso Fittipaldi” – trilha sonora do filme.

1975 – Novela “Cuca Legal” – música “Linha Do Horizonte”, com a banda Azimuth.

Em 2011 a música "Viola Enluarada" aparece na novela Amor e Revolução – SBT – 2011)

Se pegarmos apenas as músicas de Marcos Valle compostas exclusivamente para filmes e novelas, teríamos material suficiente para classificá-lo como um grande compositor de trilhas. Sem contar os inúmeros jingles publicitários compostos sob encomenda, alguns, até sem os devidos créditos, dos quais nunca reclamou participação. Acho que seu jingle mais famoso é “Um Novo Tempo (Hoje É Um Novo Dia)”, composto por Marcos, Paulo Sérgio Valle e Nelson Mota para a Rede Globo de Televisão. Foi uma encomenda prevista para ser um tema de final de ano (1971) e acabou se transformando em tremendo sucesso. Quase todas as mensagens de Natal e Final de Ano da TV Globo são vinculadas a essa música bastante simples, mas muito bem feita. A harmonia vai de Dó pra Mi com suavidade, sem que ninguém perceba a mudança. Coisa de gênio.

Uma curiosidade: em 1972, Marcos Valle, fugindo do patrulhamento ideológico, aluga uma casa no antigo vilarejo de Armação dos Búzios, se apaixona pelo local, e começa a dar uma guinada na carreira. Esse vínculo permanece até hoje. Seu filho, também surfista como o pai, sempre, quando pode, pega o ônibus da Viação 1001 e vem namorar uma gatinha aqui. Tom Jobim, não sei se são essas exatamente as suas as palavras, dizia:“que todo o garoto deveria ter o direito de ter uma namorada bonita”. Sábio esse Jobim. Acho que os irmãos Valle seguiram esse conselho a risca.



sábado, 28 de fevereiro de 2015

Conjunto 7 de Ouros - 1962




Músicos
Lenita Bruno (vocal)
José Delphino Filho - Zezinho (vocal)
Lauro Osório Miranda (piano)
Edmundo Maciel pereira (trombone)
Cipó - Orlando costa (saxofone)
Julinho do Trompete - Julio Barbosa (trompete)
Vidal - Pedro Vidal Ramos (contrabaixo)
Paulinho Baterista - Paulo Fernando de Magalhães (bateria)

As músicas estão comentadas na contra capa do disco.

Em 1964, o conjunto lança o LP "Impacto", um marco do Samba-Jazz. Pauleira. Já foi postado aqui no blog.

Algumas fotos para pesquisar mais tarde.







quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Choro Na Feira - 2003




Ta aí um disco que ouço muito. Não canso de ouvir.
Conheço a turma.
Ignez Perdigão, do cavaquinho. Ex-mulher do meu amigo Mário "Mac" (de Macintosh, e grande Luthier).
Bilinho Teixeira - violão (meu professor de Harmonia - CIGAM)
Franklin Martins (Franklin da flauta). Apenas o flautista preferido do Chico B. H. Já levamos um sonzinho na Tijuca. Fiquei humilhado com a sua técnica.
Marcelo Bernardes - Meu vizinho na Rua Álvaro Ramos.
Os outros dois, para mim são novos.

Vou falar mais sobre esse projeto de tocar na feira. A feira é no Cosme Velho/Laranjeiras - Rio de Janeiro.

Já volto.